Lira aos 33

Vida que me fizeste
provar o fel
de iniquidades
humanas

machucaste-me a pele
partiste-me os ossos
e me deixaste
as entranhas vivas
para que pudessem ferir-se
e curar-se

vi alguns
tombarem
quedas Bastilhas
de sangue sobre pedra
e cal

vi alguns se levantarem

Vida que me trouxeste
do viço lúgubre
paralisaste-me um dedo
entortaste-me um braço
cobraste-me o ar
mas minha mãe mo deu

do choro
ao bordão

leviano
caminhei pelas esquinas
dobrei-me

perdurei

Marcos Arthur Escrito por:

Inquieto. Curioso. Companheiro da Marina e pai do Otto. Ultramaratonista. Facilitador de aprendizagem. Sócio-fundador na 42formas. Escritor amador. Eterno aprendiz.

2 Comentários

  1. Paloma
    21/08/2012
    Responder

    Lindo, Marquito! Mas duvido que esta fida de leviano, com sabor de fel seja a sua. Quer dizer, espero que não seja. Felicidades e que seus próximos anos “manem” leite e mel (nunca entendi esse verbo, aposto que você entende). Beijo grande.

    • 21/08/2012
      Responder

      A vida é de muitos, Pipoca, e eu sou só mais um neste mundo, vasto mundo. Beijos e obrigado pelo carinho de sempre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *