…E se eu pudesse, lhe apertaria de leve as coxas e lhe faria voltar um pouco ao passado. E lhe beijaria os lábios quentes e lhe sussurraria nada aos ouvidos. E seria feito eu mesmo, sem beira nem eira. Apenas toque e respiração. E algumas palavras sujas entre outras tantas doces.

Marcos Arthur Escrito por:

Inquieto. Curioso. Companheiro da Marina e pai do Otto. Ultramaratonista. Facilitador de aprendizagem. Sócio-fundador na 42formas. Escritor amador. Eterno aprendiz.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *