…E o teu sorriso mal caberia na palma da minha mão. E me olharias devagar, descerrando as pálpebras e o coração. A pele dos teus braços e costas se envergaria sob as pontas dos meus dedos e um suspiro – ou vários – marcaria o compasso de ti.

Marcos Arthur Escrito por:

Inquieto. Curioso. Companheiro da Marina e pai do Otto. Ultramaratonista. Facilitador de aprendizagem. Sócio-fundador na 42formas. Escritor amador. Eterno aprendiz.

seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *